Espalhe por aí                  Visitas: 666


06/04/2015 às 07:02:19
Clique Ciência: dá para aprender dormindo?

Clique Ciência: dá para aprender dormindo?
créditos: UOL

Pesquisas recentes indicam que o cérebro permanece mais ativo durante o sono do que se imaginava e que é possível, sim, tirar proveito disso. Mas não se anime demais: as descobertas da neurociência estão longe de ser um aval a empresas que oferecem cursos de idiomas para "aprender dormindo".

Basta lembrar das aulas que você perdeu na escola, porque as pálpebras estavam pesadas demais. Deu para assimilar alguma coisa? Muito pouco, certo? Se desse para aprender assim, não seria mais preciso investir em bons professores; bastava um único, que gravasse as aulas, e os alunos nem precisariam sair da cama, o que resultaria em uma enorme economia de recursos.

Hoje os cientistas sabem, porém, que ninguém perde tempo dormindo. "O período em que adormecemos está longe de ser um momento de silêncio cognitivo, que se presta apenas para relaxamento e descanso cerebral", explica o neurologista Leando Teles, membro da Academia Brasileira de Neurologia (ABN).

"Na verdade, o sono é um evento biológico dinâmico, com fases bem definidas - o cérebro reduz seu metabolismo em alguns momentos e acelera em outros, mantendo atividades de aprendizado, organização de memórias, ensaios de criatividade e testes emocionais", complementa.

Processamento automático
Um estudo publicado no ano passado na revista "Current Biology" mostrou que indivíduos estimulados a processar informações simples antes de dormir continuam com a tarefa em andamento nas fases iniciais do sono.

No experimento, pesquisadores da Universidade de Cambridge, na Inglaterra, e da Escola Normal Superior, em Paris, convidaram pessoas a classificar palavras em "animais" ou "objetos" apertando um botão em cada mão pouco antes de dormir. Tudo isso era registrado em exames, que acusavam os potenciais elétricos para as respostas motoras.

Depois que caíram no sono, e deixaram de apertar os botões, os participantes continuaram a ser estimulados a realizar a tarefa. Adivinha o que aconteceu? Pelos registros da atividade cerebral, os cientistas viram que eles continuavam acertando tudo, só demoravam um pouco mais para "responder".

"Os resultados não oferecem respostas definitivas, entretanto mostram que o cérebro é capaz de continuar processando durante os estágios iniciais do sono informações externas (no caso, palavras ouvidas)", esclarece o professor de neurologia Benito Damasceno, da Unicamp (Universidade Estadual de Campinas), em São Paulo. "Mas não demonstraram evidência de aprendizado nas tarefas propostas", frisa, porém, o especialista.

Estudo anterior, publicado na revista "Cerebral Cortex" e financiado pela Fundação Nacional de Ciência da Suíça, mostrou que, se não dá, efetivamente, para aprender enquanto se dorme, é possível pelo menos solidificar a memória das palavras ouvidas antes de ir para a cama.

O trabalho convocou 60 alunos de língua alemã para aprender à noite algumas palavras em holandês. Metade do grupo foi dormir, enquanto o som ambiente reproduzia as palavras gravadas, e a outra metade permaneceu acordada para ouvir o mesmo áudio. Depois, às 2h, todos foram submetidos novamente ao novo vocabulário e - surpresa! - quem dormiu se saiu muito melhor ao recordar as palavras novas.

Outro estudo sugestivo foi feito pela Universidade de Nova York e publicado na revista "Science". Pesquisadores comprovaram, em ratos, que dormir depois de aprender algo novo permite a geração de novas conexões entre os neurônios. Ou seja: o processo iniciado em estado de alerta é mantido durante o sono.

Sonhos e soluções
O grande responsável pela consolidação de memórias durante o sono é a chamada "fase REM" (da sigla em inglês para "movimento rápido dos olhos"), que surge após quatro outros estágios, como explica Leandro Teles.

Nas fases 1 e 2, o sono é superficial e as pessoas estão mais sensíveis ao despertar, já que há uma ligeira percepção do mundo externo. As fases 3 e 4 são as denominadas de sono profundo, ou de ondas lentas. O cérebro trabalha menos, mas não fica totalmente parado: é apenas um descanso.

Depois de todo esse processo é que surge o sono REM: a pessoa quase não se mexe, apenas movimenta os olhos por baixo da pálpebra (daí o nome do estágio). "O indivíduo está distante, sensorialmente, do mundo que o cerca, mas seu cérebro está mais agitado, organizando memórias recentes, exercitando sua criatividade e criando os famosos sonhos, que podem ser lembrados ou não (a depender do momento em que despertamos)", descreve Teles.

O especialista acrescenta que, nessa fase, há intensa ativação de áreas ligadas a emoções, sem muita interferência da crítica e da racionalidade. "Por isso temos muitos sonhos malucos e 'sem pé nem cabeça'", comenta.

Apesar da aparente confusão, o processo é fundamental para a consolidação do aprendizado. Tanto que muita gente vai dormir pensando em um problema e acorda com uma solução para ele. "O cérebro mantém processamentos vindos do período de vigília, numa espécie de segundo plano menos consciente, mas eventualmente muito efetivo e criativo (talvez por menor interferência do juízo e da crítica, que limitam as alternativas)", diz o neurologista.

Os estudos recentes, para ele, demonstram o grau de complexidade do funcionamento do cérebro humano, a importância do sono e o trabalho que os neurocientistas têm pela frente para compreender os detalhes desse fenômeno. 

COLUNISTA

PAULO PAIVA

COMPARTILHE O LINK DA MATÉRIA









Saúde

Dica Para Fazer o Esmalte Secar Mais Rápido

Mergulhar as mãos em água gelada é truque certeira para secar o esmalte mais rápido

18/03/2016   09:23:46

Ler Matéria

Esfoliante caseiro de açúcar renova a pele e diminui oleosidade

Esfoliação ajuda a eliminar as células mortas da superfície e a desobstruir os poros

18/12/2015   06:03:06

Ler Matéria

Zika pode ser transmitido por leite ou sêmen? Veja o que a ciência já sabe

Principal forma de transmissão do zika vírus é pelo vetor Aedes aegypt

10/12/2015   05:17:19

Ler Matéria

Manteiga: antes vilã da alimentação saudável, ela finalmente foi reabilitada

Sempre vista como vilã nas dietas, a manteiga agora assume papel de superfood

09/12/2015   06:51:14

Ler Matéria

Exercício intenso, mas sem exaustão, melhora humor de jovens, diz estudo

Pesquisa da Unifesp avaliou efeito psicológico de exercício de alta intensidade. Quando praticante atinge estado de exaustão, efeito no humor é negativo.

02/11/2015   19:47:32

Ler Matéria

Estudos sugerem que tirar mês de 'férias' do álcool faz bem para a saúde

Cientistas acreditam que um mês sem álcool já ajuda fígado a se recuperar. Pesquisa que será apresentada este mês indica benefícios de abstinência.

02/11/2015   19:30:11

Ler Matéria

Estudo explica por que você deve fugir de restaurantes que servem porções avantajadas

Cientistas do Reino Unido alertam que porções muito grandes de alimentos levam as pessoas a comer além da necessidade, aumentando o risco de doenças como câncer e obesidade

07/10/2015   06:23:24

Ler Matéria

Texto da jornalista Fernanda Gentil sobre amamentação fortalece cinco mitos sobre aleitamento materno; veja quais são

Organização Mundial de Saúde (OMS) recomenda o aleitamento materno exclusivo durante os seis primeiros meses de vida do bebê, média brasileira é de 54 dias

07/10/2015   06:19:22

Ler Matéria



 
   
Cadastre seu e-mail e receba novidades e promoções da Jovem Rio!






  
Copyright © 1998/2015 Todos os direitos reservados!